segunda-feira, 12 de setembro de 2011

O CHORO DE ROGÉRIO CEGUENI

O Grêmio mais uma vez, jogou um futebol de excelência no Olímpico, desta vez, contra o São Paulo. Os laterias estão funcionando muito bem, Júlio Cesár e Mário Fernandes não são apenas apoiadores, são dribladores também. Sabem abrir espaços na defesa adversária e levar os zagueiros adversários ao pavor. O meio campo chegando na área para concluir, coisa que até pouco não se via mais no Grêmio, a zaga ganhando as jogadas na antecipação e um goleiro de seleção em boa fase novamente. Tudo isso, deixa à nós gremistas, satisfeitos. Pela minha ótica, ainda falta uma partida para termos a prova definitiva da recuperação. E será contra o Vasco, um time bem armado que vem em ascenção no campeonato. Se conseguirmos um empate, estará consolidada a nova fase do tricolor.

CHORADEIRA

O que se pode esperar de Rogério Ceni? Que ele seja genial, decisivo e lidere sua equipe com seu futebol. E por isso, lhe dou razão. O árbitro foi realmente tendencioso. Quando não marcou a penalidade em Marquinhos, quando não expulsou Dagoberto que chutou Saimon por trás, quando só após ser pressionado pelos jogadores do Grêmio, amarelou a vida de Casemiro utilizando o mesmo critério de Marquinhos. A falta em Adílson foi clara no lance que Héber anulou o gol são-paulino, e mesmo assim, Rogério e Adílson Batista tiveram a cara-de-pau de dizer que não houve infração. Por mais moral que Ceni tenha, por tudo que já fez no futebol, ficaria melhor aceitar que o Grêmio foi superior e que saiu barato para o São Paulo o resultado. Ele tentou claramente mudar o foco das entrevistas para uma possível parcialidade do árbitro. O problema, Cenil, digo Ceni, é que as imagens não mentem.

Até Amanhã.    http://www.conscienciagremista.blogspot.com/

Nenhum comentário:

Postar um comentário