segunda-feira, 17 de outubro de 2011

O ETERNO PAGODE DO GRÊMIO

Você gosta de pagode? Opiniões à parte, eu não gosto. Mas para quem gosta saiba que o Grêmio é um eterno pagode. E tem uma letra bem simples que é mais ou menos assim: "Foi preciso perder, pra aprender a valorizar....". Pois é, jogadores como Borges, não se pode abrir mão. Querem outro exemplo? Diego Souza. O Grêmio achou caro demais e não o comprou. Outros que foram embora sem nenhum esforço para segurar: Léo, Réver, Jonas, Rafinha do Coritiba. Que tal FABIO SANTOS?????? A verdade é que todos sabem muito e não sabem nada de futebol. Quem pode entender que somos capaz de vencer adversários difíceis e perder para os mais fracos? Entender como Roth não consegue fazer alterações coerentes na equipe e manter o padrão de jogo? Padrão no sentido de manter a postura e não o esquema. A partir de hoje, o tricolor terá que basear-se no Rock. Um dia de cada vez, abusado, agressivo, sempre tirando o melhor de si sem se importar com o politicamente correto. Cansei do pagode e espero que o sertanejo não dê o tom para o ano que vem porque "Faz mais uma vez comigo...." está fora de questão.
      Do jogo contra o Santos, o importante mesmo foi quebrar o tabu que sempre incomoda. O time apenas teve mais paciência para tocar a bola no campo embarrado da Vila. Fora isso, pelo terceiro jogo consecutivo, Mário Fernandes e Júlio César não apareceram. Isto sim é preocupante.

http://www.conscienciagremista.blogspot.com/

Nenhum comentário:

Postar um comentário